Entre ciclos, histórias, sementes e velas

psicologia-dezembro-2018

Há muitos e muitos anos, existiu lá do outro lado do mundo uma velhinha para lá de especial. Ela vivia em um barraco, que ficava em um campo verde, repleto de árvores, flores e frutos de todas as espécies. Vivia sozinha, mas recebia inúmeras visitas para o chá da tarde que era acompanhado de rosquinhas de nata, bolo de cacau e outras tantas receitas deliciosas, que produzia, diariamente, com muito carinho. Amigos, familiares, vizinhos, todos amavam estar com a velha Lena, a Senhora das Sementes. Ela tinha o costume de lhes contar histórias, tantas, que pareciam brotar de suas entranhas. Uma vez ela contou uma, mais ou menos assim:
“Existia em uma vila um homem que fabricava velas de todos os tipos e ele dizia que aprendera com seu avô a produzi-las. Seu Tito explicava ao neto que, a cada vela acesa, uma nova possibilidade passava a existir dentro de quem as acendia. Dizia que havia pessoas que eram como velas e acendiam umas as outras. Contava que elas tinham dentro de seu coração uma chama que não se apagava, que era renovada a cada ano, a cada mês, a cada dia. Dentro delas havia um fogo que, a cada ciclo, incinerava tudo aquilo que já não servia mais e os aquecia para buscarem novos rumos. Sabendo disso, o neto, com muito gosto, praticava as atividades do avô.”
E assim também, a velha Lena aquecia não só corpos, mas muitos corações. Ela não tinha velas, mas histórias e uma chama que cultivava sempre em seu coração.
Que suas histórias lhes proporcionem um novo ciclo repleto de sementes genuínas e que delas brotem a chama que manterá seu coração aquecido, com inúmeras possibilidades de se viver não só o próximo ano, mas cada minuto de sua vida.

Sâmia Riachi – Psicóloga Clínica – CRP 06/98585
samia@soulpsi.com.br / www.soulpsi.com.br