Desabafar muda o cérebro e a vida

psicologia-outubro-2018

O cérebro humano é a estrutura mais complexa e uma das mais perfeitas que existe. Nem a medicina, com todos os seus recursos, é capaz de entender 100% seu funcionamento. Uma boa alimentação, horas de descanso e a realização de atividades físicas são essenciais para a nossa saúde física e o mesmo vale para o nosso cérebro. Exercícios mentais como quebra-cabeças, os famosos sudokus e caças-palavras são importantes. Mas, ao meu ver, uma das melhores atividades é sair de casa, seja para caminhar, falar com um amigo, vizinho e, até mesmo, ir ao mercado comprar algo. Exercitar o cérebro com atividades intelectuais e sociais poderá ajudar na prevenção de doenças que afetam toda a estrutura psicológica como o Alzheimer e também traumas que possam desencadear a depressão.
Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em 2016, mais de 75 mil pessoas foram afastadas do mercado de trabalho devido a doenças mentais. Um levantamento realizado pela revista inglesa BMC Medicine, mostra que dentre os 18 países analisados, o Brasil é o líder no ranking da depressão. Outro dado alarmante é que aproximadamente 11,5 milhões de brasileiros estão depressivos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo 20% deles, adolescentes entre 11 e 19 anos.
A manutenção da saúde mental do ser humano é importante e precisa ser feita, diariamente. Existem diversas formas para manter sua mente saudável e a maioria delas é muito simples. A prática de desabafar, ou conversar com alguém sobre seus problemas, ajuda a acalmar a mente, em momentos de crise. Quando optamos por nos fechar, ocorrem desgastes mentais e emocionais que podem desencadear a depressão.
Com base na minha experiência profissional e de pesquisas científicas, posso afirmar que conversar com um psicólogo poderá ser a melhor solução para ajudar pessoas a entenderem questões e dificuldades que podem estar atrapalhando o seu crescimento pessoal e gerando sofrimento. Talvez por desconhecimento, más experiências, ou por um preconceito, algumas pessoas resistem procurar ajuda profissional, o que ocasiona uma piora no quadro depressivo.
Com uma escuta empática, analítica e interpretativa do que é dito, um psicólogo sempre estará disposto a ajudar, sem nenhuma opinião pré-formada sobre o assunto, focado a entender o que o outro tem a revelar e também apresentar os melhores caminhos para a resolução dos problemas. Procurar por um aconselhamento profissional, pode ser a chave para uma mudança de vida. Não deixe de experimentar!

*Milene Rosenthal é psicóloga especializada em Terapia Cognitiva com certificações em Cybercounsellor pela Universidade de Toronto e co-fundadora da TelaVita, marketplace de saúde que conecta profissionais da psicologia a pacientes.